Entenda como funcionam as marés

Compartilhe
como-funcionam-as-mares
As águas oceânicas, movidas pelas marés, mudam relevos e contornos do litoral. Foto: Ben Mack / Pexels

Marés, segundo a definição clássica, são as alterações cíclicas do nível das águas do mar causadas pelos efeitos combinados da rotação da Terra com as forças gravitacionais exercidas pela Lua e pelo Sol sobre nosso planeta.

Para entender o conceito de uma maré, é fundamental a compreensão do conceito de “campo gravitacional”.

De acordo com Isaac Newton, um dos cientistas mais influentes de todos os tempos, que viveu entre os séculos XVI e XVII, autor da lei da gravitação, “campo gravitacional” é o campo vetorial que representa a atração gravitacional que um corpo massivo, isto é, um corpo caracterizado pelo atributo de massa, exerce sobre os outros corpos. Sem especificar qual é o corpo que está sendo atraído.

Isso é possível porque pela lei da gravitação universal, a força sentida por um corpo é diretamente proporcional à sua massa gravitacional. Assim, o campo (gravitacional) corresponde mais exatamente ao fator de proporcionalidade a ser aplicado para obtermos a força exercida sobre uma massa em particular

Sendo assim, as massas oceânicas que estão mais próximas da Lua sofrem uma aceleração de intensidade significativamente superior às massas oceânicas mais afastadas da Lua. É este diferencial que provoca as alterações da altura das massas de água à superfície da Terra.

Influência da rotação da Terra nas marés

como-funcionanam-as-mares
Sol, lua e rotação da Terra tem influência no fenômeno das marés. Foto: Reprodução

Além da Lua e do Sol, a rotação da Terra sobre o seu eixo também colabora para a formação das marés. Uma “metade” de nosso planeta está sempre voltada para a Lua, que exerce seu poder de atração sobre as águas. Nesta face, teremos maré alta. Na face oposta à Lua teremos maré baixa. Ou seja, é como se a lua “puxasse” as águas da metade para a qual ela está voltada no momento”.

As marés variam de amplitude diariamente conforme a posição do Sol e da Lua. Mas quando ambos os astros se colocam numa mesma linha em relação à Terra, como acontece na Lua Cheia e Nova, ela alcança sua maior amplitude. É a chamada maré de sizígia.

Veja também > Estudo baseado em DNA traça as origens das primeiras rotas de colonização da Polinésia

O movimento das águas provoca continuamente o desgaste e a erosão – ou abrasão – do relevo da costa, desagregando rochas e deslocando materiais.

Este processo cria diferentes formas de relevo ao longo do litoral. As águas oceânicas, movidas pelas marés, transportam os sedimentos que se depositam ao longo da costa, contribuindo para a acumulação de materiais marinhos, criando assim outras formas de relevo como praias de areia, restingas, manguezais e ilhas.

As marés também têm sido utilizadas como fonte geradora de energia elétrica.

Um dos modos de geração de energia funciona da seguinte maneira: gigantescos tanques são construídos para serem cheios com a água do mar na maré alta. Quando a maré baixa, ou seja, a água sai do tanque, faz girar uma turbina ali contida, assim produzindo energia elétrica

Curiosidade: A maior variação de maré do mundo

Baía de Fundy localizada na costa atlântica da América do Norte, no extremo nordeste do golfo do Maine, entre as províncias canadenses de Nova Brunswick e Nova Escócia, é conhecida por ter registrado a maior variação de maré do mundo: 17 metros.

No Brasil, as maiores variações acontecem no Maranhão e chegam a 8 metros, porém, a maior de todas acontece na ilha de Maracá, no Amapá.

Ali, no Igarapé do Inferno a maré chega a quase nove metros de amplitude. 

Vídeo | Aprofunde seus conhecimentos sobre o fenômeno das marés:

Fontes de pesquisa: wikipedia.org, infoescola.com, marsemfim.com.br e gigantesdomundo.blogspot.com.br.

Não perca nada! Clique AQUI para receber notícias do universo dos esportes de água no seu WhatsApp.

Compartilhe